40 anos do Empório Tia Dulce em Olinda.

> Há 40 anos exatos, Maria Dulce Monteiro fundava o primeiro projeto de loja gastronômica, junto à irmã, que viria a se tornar o Empório Tia Dulce. A data ‘redonda’ vai na contramão do que, comumente, se diz a respeito de Olinda: que é um mercado complexo, difícil de se estabelecer e fidelizar cliente. A fama histórica, apesar de fazer sentido, não impediu que o projeto Tia Dulce evoluísse com o passar do tempo.
> Começou como uma doceria, mas várias transformações ocorreram de modo que a marca se tornasse sinônimo de boa gastronomia e comodidade – já que o braço de encomendas é um dos carros-chefes da empresa, e funciona ao longo de todo o ano. Uma das principais mudanças de percurso foi o agregamento dos filhos Jorge e Jorgeane ao negócio, ambos formados em Administração de empresas e, que, atualmente, ficam à frente da operação do negócio, após Dulce comprar a parte da irmã na empresa.
> Mas uma coisa não mudou com o transcorrer dos anos: a comida com o tempero afetivo da família boa de forno e fogão. Hoje, com consultoria da chef Andréa Pires, o cardápio variado oferece opções para todas as ocasiões, festivas ou mesmo do dia a dia, com o esmero pelo qual Dulce ganhou fama na Marim dos Caetés e sua cidade irmã, Recife. O repertório gastrô aponta que os clássicos formam a base de sua cozinha: de bobó de camarão a língua bovina, de cozido pernambucano a feijoada, o tempero correto e a regularidade da qualidade são os ingredientes de sucesso da casa. Sem deixar de fora a galinha à cabidela, a peixada, o baião de 2, a rabada.
> Outro ponto alto dos serviços do Empório Tia Dulce é a adega enológica, farta em opções (mais de 300 rótulos cadastrados) de todo o mundo, influência de Jorgeane, que ganhou know row atuando na importadora LD Licínio Dias Importação por mais de sete anos. Isso foi em 2012.
> Paralelamente aos serviços de encomenda e catering, o empório restaurante funciona o dia todo com almoço self-service de segunda a sábado e vitrine de doces e salgados abastecida diariamente: docinhos de festa, como brigadeiro e bem casado, atraem tanto quanto empadas bem feitas, com espessura de massa agradável, salgadinhos de queijo, etc. As tortas são uma atração à parte, a red velvet tem feito bastante sucesso ultimamente, mas a de limão e a banoffee, ambas com massa de biscoito, são impecáveis execuções da confeitaria tradicional.  Café acompanha.
> Por todo o dia também o cliente pode consumir os vinhos da adega a preço de loja com algum dos queijos do laticínio pernambucano Campo da Serra ou presunto Estrela ou ainda a famosa torrada amanteigada da Padaria Santa Cruz. Outro
>
> O elo entre “Tia Dulce” e Olinda
> Nascida em 03 de maio de 1936 em Recife/PE. Dulce veio de uma família grande. A ascendência sueco-dinamarquesa veio dos seus bisavós por parte de mãe. Hermann Theodor Lundgren e Elizabeth tiveram 5 filhos, entre eles Arthur Hermann Lundgren. Arthur foi prefeito de Olinda no começo dos anos 90. Talvez essa paixão e dedicação pela cidade tenha sido repassada para sua neta Maria Dulce. A mãe de Maria Dulce foi a primeira filha de Arthur.
> A família de Dulce fez história no município de Paulista, cidade que ajudaram a erguer e consolidar, a partir das atividades industriais ali implantadas. Dulce perdeu a mãe aos quatro anos e foi criada pela segunda esposa do seu pai, a olindense Odete Aguiar. A praia de Olinda, o Carmo e o coreto (comprado pela Prefeitura de Olinda na gestão do seu avô) eram lugares frequentados por Dulce. O amor pela cidade veio da infância.
> Aos 21 anos foi morar em São Paulo, onde passou 4 anos. Depois foi a vez da Cidade Maravilhosa, onde conheceu o seu marido e teve seus 2 filhos. Foram quase 13 anos na cidade que adotara. Para ficar mais perto da família e com uma separação para acontecer, ela voltou para Pernambuco.
> Mas nesta época, meados de 1978, escolheu Olinda para morar. Não sei se por lembranças juvenis, vontade de contribuir para cidade, herança vinda do avô, ou pela magia que esta cidade fornece. Olinda foi escolhida, mas também escolheu e acolheu Dulce.
> Foi na Marim dos Caetés que criou os filhos e instalou a sua primeira doceria em Bairro Novo, que na época se chamava Candy´s. Casa que, rapidamente, foi sinônimo de sucesso e conhecida em toda cidade pela qualidade dos produtos e pela simpatia da sua dona, a famosa Dona Dulce. Teve como sócia a sua irmã Letícia e sua sobrinha. A parceria perdurou por muitos anos. A empreendedora não parou por aí.
> Em 1993, abriu a segunda loja, agora com os filhos criados e formados em Administração de empresas, ela decide comprar a parte da sua sobrinha na sociedade. E com Jorge Eduardo e Jorgeane, olindenses de coração e alma, surge a Tia Dulce.
> Sinônimo de aconchego a Tia Dulce ampliou seus horizontes em Olinda e ainda arriscou a quarta loja na cidade vizinha, Recife. Naquele momento já contava com 52 colaboradores, a maioria moradores de Olinda. A empresa em crescente ascensão, entrou no ramo de bufê. Chegou a ter uma casa de recepções, Dulce Monteiro Recepções, adivinha onde? Olinda, claro. Hoje, qualquer olindense sabe que a Tia Dulce é sinônimo de afeto, qualidade e bom gosto. Dulce recebeu o título de Cidadã Olindense em 2016 pela Câmara Municipal da cidade.
>
> RAIO X
> Ano de fundação – 1978
> Encomendas – O serviço  casa atende encomendas de pratos salagdos e doces. Há menu fixo, mas atende pedidos especiais. Em dezembro, oferece receitas tradicionais da época
> Delivery – Todos os produtos da loja-restaurante podem ser entregues no endereço que o cliente quiser, inclusive vinhos. A taxa de entrega fica em torno de . Entre R$ 8,00 e R$ 15,00
> Self-service – de segunda a sábado, no horário do almoço
> Hot Box – Menu delivery de almoço em Olinda e na RMR, de segunda a sexta, que muda semanalmente e dispõe de opção vegetariana
> Catering – Faz coffee break, feijoada e todo o tipo de evento corporativo
> Mais vendidos – Bolo de frutas (bolo de noiva pernambucano), bobó de camarão, filé ao molho de vinho, camarão havaiano, arroz de pato, bolo de rolo, salgado de queijo grana padano, banoffee, torta red velvet
> Natal e Réveillon – No mês de dezembro, um menu especial é disponibilizado para encomendas, com os principais pratos do Natal e do Réveillon
>
>
> SERVIÇO
> Empório Tia Dulce Gastrô e Vinhos
> Endereço: rua do Sol, 487, Carmo – Olinda
> Horários: segunda, terça, quarta e sábado, de 10h às 18h, e quinta e sexta, das 10h às 19h30
> Instagram: @emporiotiadulce
> 8CAAE0AF-705D-434F-88CC-B676A98D1225

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s